TERRITÓRIO REPRODUTIVO DO COLEIRO-DO-BREJO (SPOROPHILA COLLARIS) NO SUL DO BRASIL: SELEÇÃO E DESCRIÇÃO DE ÁREAS DE NIDIFICAÇÃO E ALIMENTAÇÃO

Jonas Rafael Rodrigues Rosoni, Marilise Mendonça Krügel, Carla Suertegaray Fontana, Everton Rodolfo Behr

Abstract


Resumo ∙ Atualmente informações sobre as variáveis que influenciam a seleção dos territórios reprodutivos das populações brasileiras do Coleiro-do-brejo (Sporophila collaris) são escassas assim como a descrição de áreas para nidificação. Durante a estação reprodutiva de 2015– 2016 coletamos dados de reprodução de S. collaris nos campos do sul do Brasil com objetivo de estimar o tamanho dos territórios, comparando dois métodos de avaliação, e caracterizar a estrutura e composição florística dos micro-habitats importantes na seleção dos territórios reprodutivos. Adicionalmente identificamos as principais espécies de plantas que são usadas como alimento nos territórios reprodutivos. Monitoramos 32 casais, os quais estabeleceram seus territórios em ambientes seminaturais úmidos (56%), ambientes seminaturais secos (25%) e banhados (19%). Os territórios sempre estiveram associados a um corpo d’água, sendo que 59% estavam próximos a canais artificiais de irrigação, 38% a açudes e 3% à lavoura de arroz. O tamanho médio estimado dos territórios reprodutivos foi de 1,46 ha (Mínimo Polígono Convexo) e 3,22 ha (Estimativa de Densidade de Kernel). Registramos 66 espécies de plantas nas amostras estudadas, sendo 15 exclusivas nas amostras ninho e sete nas amostras não-ninho. A cobertura do estrato médio e alto, bem como a altura da vegetação e a presença de água, foram características importantes na seleção dos territórios reprodutivos. Das 22 espécies de plantas que compõem a dieta, 70% foram representadas por Poaceae. Nós enfatizamos a necessidade de mais estudos com territórios reprodutivos para espécies no Brasil e recomendamos cautela ao avaliar resultados de medidas de tamanho de território baseadas em diferentes métodos.

 

Abstract ∙ Breeding territory of the Rusty-collared Seedeater (Sporophila collaris) in southern Brazil: selection and description of nesting and feeding areas Currently, the variables that influence the selection of breeding territories of Brazilian populations of Rusty-collared Seedeater (Sporophila collaris), as well as the description of nesting areas, are poorly known. During the breeding season of 2015–2016 we collected data on breeding of S. collaris in grasslands in southern Brazil aiming to estimate the size of the territories, comparing two methods of evaluation, and describe the structure and floristic composition of the microhabitats used for selection of breeding territories. Additionally, we identified the main species of plants that were used as food sources within the breeding territory. We monitored 32 pairs of S. collaris, with territories established in humid seminatural environments (56%), in dry seminatural environments (25%) and in wetlands (19%). Breeding territories were always associated with a water body, with 59% of them being close to artificial irrigation channels, 38% to dams and 3% to rice crops. The estimated average size of breeding territory was 1.46 ha (Minimum Convex Polygon) and 3.22 ha (Kernel Density Estimation). We recorded 66 plant species in the study site samples, 15 being exclusive of nest samples and seven in non-nest samples. Middle and upper vertical cover, as well vegetation height and presence of water, were the most important characteristics associated with the selection of breeding territories. From the 22 species of plants that composed the diet, Poaceae represented 70%. We stressed the importance of breeding territories studies for species in Brazil and we recommend cautious when evaluating results of territory size estimates based on different methods.


Keywords


Behavior; Brazil; Pampa; Seedeaters; Territory; Vegetation structure; Wetlands

Full Text:

PDF

Refbacks

  • There are currently no refbacks.