La ideología del no partidismo en el ethos institucional del Congresso em Foco desde su discurso autorreferencial

Lucas Oliveira de Medeiros, Daniel Dantas Lemos

Resumen


El objetivo de este artículo es comprender cómo se manifiesta la ideología del no partidismo en el ethos institucional analizado a partir del discurso autorreferencial del sitio web periodístico brasileño Congresso em Foco. Nos basamos en la teoría del ethos discursivo en Análisis del Discurso para analizar el ethos discursivo institucional del sitio web, aplicándola como un enfoque teórico-metodológico. Se analizaron enunciados publicados en géneros de presentación de sí mismo, a saber, la página “Quiénes somos”, la marca, el eslogan, el media kit y un editorial derivado de la página “Quiénes somos”. Se identificaron doce unidades de significado en el ethos discursivo institucional del Congresso em Foco: no partidismo; defensa de la democracia, los derechos humanos y la diversidad; independencia; periodismo para cambiar; credibilidad; emprendimiento; espíritu pionero; pluralismo de voces; profesionalismo; relevancia; “perro guardián”; y periodismo político. El no partidismo es tan significativo en el ethos institucional del sitio web que se puede decir que es la ideología misma operada en su discurso. Todo su ethos institucional está destinado a reforzarlo.


Palabras clave


no partidismo; Congresso em Foco; discurso autorreferencial; ethos discursivo; periodismo político.

Referencias


ALBUQUERQUE, A. (2018). A comunicação política depois do golpe: notas para uma agenda de pesquisa. Compolítica, 8 (2), 171-205.

ALBUQUERQUE, A. (2000). Um outro “Quarto Poder”: imprensa e compromisso político no Brasil. Contracampo (4), 23-57.

ALDÉ, A. (2004). A construção da política: democracia, cidadania e meios de comunicação de massa. Rio de Janeiro: FGV.

AMOSSY, R. (2018). O ethos na intersecção das disciplinas: retórica, pragmática, sociologia dos campos. In AMOSSY, R. (org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos (2ª ed) (pp. 119-144). São Paulo: Contexto.

AUCHLIN, A (2001). Ethos e experiência do discurso: algumas observações. Tradução de Emília Mendes Lopes e Wander Emediato de Souza. In MARI, H.; MACHADO, I. L.; MELLO, R. (org.). Análise do discurso: fundamentos e práticas (pp. 201-225). Belo Horizonte: Núcleo de Análise do Discurso, FALE/UFMG.

BENETTI, M. (2008). O jornalismo como gênero discursivo. Galáxia (15), 13-28.

CAVALCANTI, J. R. (2015). Considerações sobre o ethos do sujeito jornalista. In MOTTA, A. R.; SALGADO, L. (org.). Ethos discursivo (2ª ed) (pp. 173-184). São Paulo: Contexto.

CHARAUDEAU, P. (2006). Discurso das mídias. Tradução de Angela S. M. Corrêa. São Paulo: Contexto.

CHARAUDEAU, P (2016). Discurso jornalístico e posicionamentos enunciativos: fronteiras e distanciamentos. Parágrafo, 4 (1), 7-15.

CHARAUDEAU, P. (2013). Discurso político (2ª ed.). Tradução Dilson Ferreira da Cruz e Fabiana Komesu. São Paulo: Contexto.

Congresso em Foco. Disponível em: https://congressoemfoco.uol.com.br/. Acesso em: 22 nov. 2019a.

Congresso em Foco [Mídia kit]. Disponível em: https://bit.ly/3a1863Y. Acesso em: 23 mai. 2018b.

Congresso em Foco. O que pensa e para onde vai o Congresso. Disponível em: https://congressoemfoco.uol.com.br/painel-do-poder/. Acesso em: 14 mar. 2019b.

Congresso em Foco. Quem somos. Disponível em: http://congressoemfoco.uol.com.br/quem-somos/. Acesso em: 21 jun. 2018c.

Congresso em Foco. Serviços premium. Disponível em: https://congressoemfoco.uol.com.br/assine-aqui/. Acesso em: 26 fev. 2020.

COSTA, S. (2016, Junho 17). Por que a bandeira LGBT também é nossa bandeira. Congresso em Foco. Disponível em: https://bit.ly/2HWoqXr. Acesso em 13 ago. 2019.

CRUVINEL, T. (2006). Colunismo: análise, opinião e ética. In Seabra, R.; Sousa, V. (orgs.). Jornalismo político: teoria, história e técnicas (pp. 211-233). Rio de Janeiro: Record.

EAGLETON, T. (1997). Ideologia: uma introdução. Tradução de Silvana Vieira e Luís Carlos Borges. São Paulo: Editora UNESP; Boitempo.

FOLHA DE S. PAULO; Datafolha. Grau de confiança nas instituições. Disponível em: https://bit.ly/38VFl8E. Acesso em: 8 set. 2019.

GOMES, W. (2004). Transformações da política na era da comunicação de massa. São Paulo: Paulus.

IBOPE Inteligência. Índice de confiança social 2019. Disponível em: https://bit.ly/2PkgMuh. Acesso em: 8 set. 2019.

LIPPMANN, W. (2010). Opinião pública (2ª ed.). Tradução de Jacques A. Wainberg. Petrópolis: Vozes.

LOPES, F. L. (2007). Auto-referência e construção da identidade jornalística (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

LOPES, F. L. (2013). Ser jornalista no Brasil: identidade profissional e formação acadêmica. São Paulo: Paulus.

MAINGUENEAU, D. (2015). A propósito do ethos. In Motta, A. R.; Salgado, L. (org.). Ethos discursivo (2ª ed.) (pp. 11-32). São Paulo: Contexto.

MAINGUENEAU, D. (2013). Análise de textos de comunicação (6ª ed. ampl.). Tradução de Maria Cecília P. de Souza-e-Silva e Décio Rocha. São Paulo: Cortez.

MAINGUENEAU, D. (2018a). Ethos, cenografia, incorporação. In Amossy, R. (org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos (2ª ed.) (pp. 69-92). São Paulo: Contexto.

MAINGUENEAU, D. (2008). Gênese dos discursos. Tradução de Sírio Possenti. São Paulo: Parábola Editorial.

MAINGUENEAU, D. (2018b). Retorno crítico à noção de ethos. Letras de Hoje, 53 (3), 321-330.

MARTINS, A. R. N. (2018). Análise de discurso da mídia. In BATISTA JÚNIOR, J. R. L.; SATO, D. T. B.; MELO, I. F. (orgs). Análise de discurso crítica: para linguistas e não linguistas (pp. 158-183). São Paulo: Parábola.

MEDINA, C. (2006). Lugar do jornalista: no centro das tensões. In SEABRA, R.; SOUSA, V. (orgs.). Jornalismo político: teoria, história e técnicas (pp. 23-36). Rio de Janeiro: Record.

MONT’ALVERNE, C.; MARQUES, F. P. J. (2018). A opinião da empresa no jornalismo brasileiro: um estudo sobre a função e a influência política dos editoriais. In MARQUES, F. P. J. et al. (org.). Estudos sobre jornalismo político (pp. 13-36). Curitiba: CPOP.

NAVARRO, P. (2010). Uma definição da ordem discursiva midiática. In MILANEZ, M.; GASPAR, N. R. (Org.). A (des)ordem do discurso (pp. 79-93). São Paulo: Contexto.

PAIXÃO, P. (2018). Linha editorial no jornalismo brasileiro: conceito, gênese e contradições entre a teoria e a prática. Alterjor, 8 (17), 90-108.

RICOEUR, P. (2015a). A ideologia e a utopia. Tradução de Sílvio Rosa Filho e Thiago Martins. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

RICOEUR, P. (2015b). Hermenêutica e ideologias. Tradução de Hilton Japiassu. Petropólis, RJ: Vozes.

SCADELAI, E. (2015). Ethos e comentário de fala na notícia impressa. In MOTTA, A. R.; SALGADO, L. (org.). Ethos discursivo (2ª ed.) (pp. 185-194). São Paulo: Contexto.

SEABRA, R. (2006). Jornalismo político: história e processo. In SEABRA, R.; SOUSA, V. (org.). Jornalismo político: teoria, história e técnicas (pp. 109-140). Rio de Janeiro: Record.

THOMPSON, J. B. (2011). Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa (9ª ed.). Tradução do Grupo de Estudos sobre Ideologia, comunicação e representações sociais da pós-graduação do Instituto de Psicologia da PUCRS. Petrópolis, RJ: Vozes.

ŽIŽEK, S. (1996). O espectro da ideologia. In Žižek, S. (org.). Um mapa da ideologia (pp. 7-38). Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.


Platcom

index.comunicación pertenece a PlatCom (Plataforma de Revistas de Comunicación) que agrupa a las siguientes revistas:

               

                

              


Puede hacer una petición de ejemplares impresos a

Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.

E-ISSN 2174-1859; ISSN 2444-3239